segunda-feira, 27 de agosto de 2012

A palavra dos interessados *

Logo após a República, foi o conselheiro Paulino José Soares de Souza, provedor da Santa Casa, procurado por uma comissão de positivistas, que o foi convidar a mudar a denominação do cemitério São João Batista para Sul-Colombiano.
- Tomo nota da idéia - replicou o velho monarquista; - mas convém, antes da execução, saber si os que lá se acham têm até agora motivos de queixa ou aborrecimento contra êsse nome de São João Batista.

* Taunay - Reminiscências, vol I, pag.74.

Extraído originalmente do Livro: O Brasil Anedótico, p.  22.

domingo, 19 de agosto de 2012

História Natural - Langlebert

Esta obra foi escrita por J. Langlebert, Professor de Sciencias Physicas e Naturaes, Doutor em Medicina e Oficial da Academia. Não tem o ano de publicação, mas pela grafia, estado do livro e gramática utilizada na tradução, imagina-se que pode ser do início do século passado.

O livro História Natural é muito técnico e compreende as áreas de Zoologia, Botânica, Geographica, Geologia e Paleontologia. Não faz qualquer referência à preocupação com o homem, como agente de transformação da natureza e caça predatória dos animais e, também, sobre poluição do ar e a terra. Para ilustrar algumas partes da obra, selecionei dois assuntos que acabam se tornando cômicos:

Vermes Cestóides - A este grupo pertencem duas espécies principais: a Tania Solium vulgarmente Tênia ou Solitária e o Bothriocephalo (...) esta espécie de solitária que, como a tênia, pôde atingir vários metros de comprimentos e vive nos intestinos do homem, é sobretudo comum entre os Russos, Polacos e Suíssos, ao passo que a tenia observa-se particularmente na França, Itália e Allemanha. (e o Brasil, um país de predominância rural?? o povo não tinha essas doenças???).  p.256.

A obra ao descrever a Teoria da Evolução da Espécie (Darwin) o faz de forma plausível, mas ao final do texto conclui como "inexistente ou impossível", veja:

"Quanto ao homem, cujo genio poude penetrar e comprehender estas leis primordeaes, tão grande abysmo o separa dos animaes mais bem dotados, dos macacos, por exemplo, que aqui toda a ideia de transição desapparece. Devemos limitar-nos à definição bíblica: * Deus creou o homem à sua imagem.* p. 515.

Em tempo: em pesquisa realizada na rede mundial de computadores, consta que esta obra foi publica em 1905.

Obs.Alguns parágrafos foram mantidos a escrita original.


Fonte da imagem: arquivo pessoal sergio/elane
@Direitos Reservados


terça-feira, 14 de agosto de 2012

Últimas palavras do Visconde de Rio Branco

A Agonia do Gigante (*)

Vítima de um ataque de uremia, o Visconde do Rio Branco agonizava, cercado pela família e pelos amigos. Pálido como cêra, os olhos cerrados, tentava, de quando em quando, erguer o braço, no seu gesto de orador, deixando escapar frases que davam idéia do seu delírio.
- Senhor presidente... - exclamou, grave: - peço a palavra...
Momentos de silêncio. E depois:
- Peço licença para falar com muita pausa devido ao meu melindroso estado de saúde...
Novo silêncio. Em seguida:
- Não perturbem a marcha do elemento servil...
E com energia, na frase derradeira:
- Confirmarei diante de Deus tudo quanto houver afirmado, diante dos homens!...
Momentos depois, era a morte.

Visconde do Rio Branco

Extraído originalmente do Livro: O Brasil Anedótico, p. 21 e 22.  

* Tunay - "Homens e Cousas do Império", pag. 87.


domingo, 5 de agosto de 2012

Jefferson - Gene Lisitzky (1953)


Thomas Jefferson viveu num período importante da História Americana, razão pela qual a sua história é a história de uma época  e de um mundo. Muito se tem escrito sobre o grande batalhador pela liberdade de todos os homens, porém, até aqui, ninguém o fez com maior poder de síntese e força de penetração do que Gene Lisitzky.
Baseado em dados rigorosamente verídicos, acompanhou passo a passo a vida do grande democrata norte-americano, aclarando muitos dos seus pontos capitais, como o que se prende às relações de Jefferson com Hamilton. Também a vida afetiva do exemplar estadista mereceu-lhe especial atenção e é com imensa ternura que lhe acompanhamos as passagens.
A vida de Thomas Jefferson, advogado dos mais brilhantes, deputado à Câmara colonial pelo seu condado, diplomata, secretário de Estado, duas vezes presidente e, por fim, grande educador, foi prodigiosamente ativa e profícua, até à extrema velhice.
Uma vida muito digna e feliz, na opinião do próprio Jefferson, quando respondeu afirmativamente a um amigo que lhe perguntara se gostaria de vivê-la outra vez.

Citação da obra:

"Quando a França se tornou república, Jefferson desejava ardentemente que seu novo govêrno fosse bem sucedido. Hamilton encarava com mêdo e rancor a Revolução Francesa. Êle esperava que a Inglaterra esmagasse aquela monstruosidade democrática. Em consequência, duas correntes a favor da Europa cresciam na América: pelos inglêses (Hamilton) e pelos francêses (Jefferson). foi Hamilton o primeiro a desfechar a ofensiva." p. 113.

Fonte da imagem: arquivo pessoal sergio/elane
@Direitos Reservados

quarta-feira, 1 de agosto de 2012

A MULHER: sua preeminência social e moral, segundo os ensinos da verdadeira ciência pozitiva

Não se trata de divulgação religiosa e nem apologia. Essa obra foi publicada pela Igreja e Apostolado Pozitivista do Brasil após a realização da conferência realizada no salão do Instituto Nacional de Muzica, em 27 de novembro de 1908, tratando-se de uma obra antiguissima,  início do século XX, sendo escrita por R.Teixeira Mendes. Este livro que faz parte do acervo foi publicado em 1958, na sua 4ª edição.

Citação da obra: "(...) Tudo aqui está modificado; e por isso Augusto Comte dizia que o pozitivismo ia encontrar mais facilidade de aceitação aqui, por parte do duplo elemento ibérico, - o espanhól e o português. E podeis ter certeza de que em lugar algum se conhece hoje o pozitivismo integralmente como aqui. Na França, em Paris que foi a alma-mater de Augusto Comte, em uma de cujas praças há uma estátua dele, encontrareis dificilmente pessoas que sejão realmente pozitivistas, e de pozitivismo mal conhécem o nome de Augusto Comte. É certo que o pozitivismo se propaga, eréce de dia para dia; mas, em geral, cada um arranca algumas páginas de Augusto Comte, e procura aplicá-las ao sabor de suas conveniências; a massa feminina e proletária, entretanto, vai integrando estes pedaços assim destacados, e o pozitivismo vai se Impondo." (p. 50).



Fonte da imagem: arquivo pessoal sergio/elane
@Direitos Reservados